Ihr Broker

  • DAX 0,70
  • EUR/USD 0,50
  • GOLD 0,30

Nur Spreads

Keine Kommission

Jetzt registrieren

CFDs sind komplexe Instrumente und umfassen aufgrund der Hebelfinanzierung ein hohes Risiko, schnell Geld zu verlieren.

KPMG, Efeitos

KPMG no Brasil Brazil

12.11.2020 - 11:02:49

KPMG: Efeitos econômicos da covid-19 na América do Sul

SÃO PAULO, 12 de novembro de 2020 /PRNewswire/ -- O surto de coronavírus representa uma das crises mais profundas pelas quais a humanidade passou ao longa da história e, certamente, a mais importante nos últimos 50 anos para a economia global. A interrupção da atividade econômica e o impacto nas cadeias de valor como resultado das medidas de distanciamento social que os países estão aplicando para reduzir o contágio da covid-19 estão tendo efeitos devastadores no desempenho das economias e gerando perspectivas de crescimento desanimadoras para o final deste ano. Trata-se de uma situação que afeta os países pobres ou em desenvolvimento que apresentam uma situação mais delicada e nos quais a pandemia exacerba crises pré-existentes como a econômica, financeira, social e política.

Uma pandemia tem a particularidade de que, conforme avança, os governos adotam medidas de distanciamento social que afetam a produtividade. Ao mesmo tempo, há uma queda na demanda por insumos produtivos e uma contração na demanda de consumo final levando a um choque de demanda. É importante observar que a queda na demanda internacional por produtos e o retrocesso que essa mudança gera nos preços têm um impacto específico na América Latina cujas economias dependem da produção e exportação desses bens.

No caso dos países da América Latina e, especialmente, da América do Sul, a experiência observada em outras regiões permitiu a elaboração de estratégias e medidas mais eficazes contra o surto da covid-19, ainda que não se tenha podido evitar o fechamento das fronteiras,  o distanciamento social e a interrupção da atividade econômica. Essas medidas, somadas à desaceleração da economia global estão punindo os países da região, deixando no processo um rastro de números de crescimento negativo para todo o continente sul-americano até o final deste ano e apenas um vislumbre de recuperação para o próximo.

As medidas de contenção aplicadas em todo o mundo e as restrições de financiamento devem operar em detrimento da atividade econômica da região que devem enfrentar os efeitos da pandemia com crises econômicas e financeiras preexistentes. Em termos gerais, espera-se que tanto a América Latina quanto a América do Sul registrem uma queda significativa no PIB agregado, no final deste ano, enquanto, que para 2021 há expectativas de uma recuperação em torno de 3% a 4%.

* Por Jean Paraskevopoulos Neto

* Jean Paraskevopoulos Neto é sócio líder de mercados e clientes da KPMG no Brasil e na América do Sul.

FONTE KPMG no Brasil

@ prnewswire.co.uk