CGTN, China

CGTN: o crescimento da China impulsionará a recuperação econômica global em 2023

05.01.2023 - 22:39:27

CGTN: o crescimento da China impulsionará a recuperação econômica global em 2023. CGTN Algeria Bahrain Egypt Iran Iraq Jordan Kuwait Lebanon Libya Morocco Oman Qatar Saudi Arabia Syria Tunisia United Arab Emirates Yemen Angola Botswana Ethiopia Gambia Ghana Guinea-Bissau Kenya Lesotho Liberia Malawi Maldives Mozambique Namibia Nigeria Sierra Leone Somalia South Africa Swaziland Tanzania Uganda Zambia Zimbabwe China

BEIJING, 5 de janeiro de 2023 /PRNewswire/ -- Com o impacto prolongado da COVID-19 e os efeitos negativos da guerra na Ucrânia, a economia global, que já demonstrou uma desaceleração, está passando por um momento de incertezas.

A intensificação contínua das medidas fiscais e monetárias destinadas a reduzir a inflação em vários países, juntamente com as interrupções na cadeia de suprimentos e a redução da produção industrial, obscurecem ainda mais as perspectivas econômicas globais.

O Instituto Internacional de Finanças, com sede em Washington D.C., prevê que o crescimento econômico global será baixo, mas com receita líquida positiva de cerca de 1,2% em 2023, e que a redução na confiança do consumidor e das empresas causará um declínio de 2,0% no crescimento médio anual do PIB na Europa.

Diante dos vários desafios, a China manteve a estabilidade da sua economia durante a pandemia. O país foi um dos primeiros do mundo a retomar o trabalho e reabrir as empresas em 2020 e se tornou a única grande economia a atingir um crescimento positivo naquele ano.

"A China conseguiu minimizar o impacto da pandemia em suas cadeias de suprimentos e operações comerciais", disse o Professor Liu Bin do Instituto de Estudos da China para a OMC da Universidade de Negócios Internacionais e Economia em Beijing.

"Devido ao grande papel da China no comércio global, suas medidas otimizadas e os recentes ajustes na resposta à pandemia podem injetar vitalidade e proporcionar um impulso oportuno à economia global."

A China encerrará suas exigências de quarentena para viajantes internacionais em 8 de janeiro, de acordo com as autoridades nacionais de saúde. A política está entre as ações mais recentes da reabertura do país.

A procura por destinos transfronteiriços populares aumentou dez vezes na primeira meia hora após o anúncio do relaxamento das restrições de viagem. Enquanto isso, a procura por passagens aéreas e hotéis internacionais atingiu um pico em três anos, de acordo com os dados da plataforma de viagens chinesa Ctrip.

"Depois de redefinir suas políticas de controle da epidemia, o crescimento econômico da China se recuperará em 2023", disse Liu à CGTN.

Liu disse que se espera que a velocidade da recuperação seja mais rápida no país do que no mercado internacional e que é importante aumentar a confiança na recuperação econômica global.

As instituições financeiras estrangeiras também expressaram otimismo sobre a economia chinesa após a otimização das medidas de prevenção da pandemia no país. A previsão da J.P. Morgan Asset Management mostra que o crescimento do PIB da China deve chegar a 5,4% em 2023. Enquanto isso, de acordo com analistas do banco de investimentos Goldman Sachs dos EUA, a perspectiva econômica geral é positiva, apesar do aumento nos casos de infecção.

As empresas estrangeiras continuam entusiasmadas em investir na China, apesar do cenário da COVID-19, com um aumento do investimento estrangeiro direto na China Continental de 17,4% em relação ao ano anterior para USD 168,3 bilhões nos primeiros dez meses de 2022, de acordo com o Ministério do Comércio.

Em um relatório divulgado em setembro de 2022 pela Câmara Americana de Comércio no Sul da China, 76% das empresas americanas disseram que reinvestiriam na China até o final de 2022 para expandir as operações existentes.

"Em última análise, trabalhar em conjunto é o caminho para o futuro", disse Harley Seyedin, presidente da Câmara Americana de Comércio no Sul da China, acrescentando que a China continuará a prosperar de uma forma pacífica que contribuirá para o mundo.

Enquanto isso, o investimento estrangeiro da Alemanha na China Continental aumentou 30,3% em relação ao ano anterior nos primeiros oito meses de 2022, e o investimento acumulado entre os dois países ultrapassou USD 55 bilhões, como mostram os dados do Ministério do Comércio da China.

Durante a visita do Chanceler alemão Olaf Scholz à China em novembro de 2022, cerca de 100 empresários alemães se inscreveram para se juntar a ele, e 12 executivos foram autorizados, incluindo representantes da Siemens, Merck, Deutsche Bank e BioNTech.

Como o maior parceiro comercial da Alemanha nos últimos seis anos, a China atraiu um maior investimento corporativo alemão em 2022.

Em setembro, o grupo alemão de produtos químicos, BASF, abriu uma fábrica em Zhanjiang, na costa oeste da província de Guangdong, como parte do investimento de aproximadamente 10 bilhões de euros (10,68 bilhões de dólares) até 2030.

Essa primeira fábrica produzirá 60 mil toneladas de compostos plásticos de engenharia anualmente para os setores automotivo e eletrônico, de acordo com uma declaração corporativa.

Em outubro, a Volkswagen disse que investiria cerca de 2,4 bilhões de euros (2,6 bilhões de dólares) em uma joint venture na China para aumentar a eficiência dos veículos autônomos, e a BMW anunciou um investimento de 10 bilhões de yuans (1,4 bilhão de dólares) em novembro para a expansão da produção de baterias de veículos elétricos na China.

A China continua sendo atrativa para os investidores estrangeiros à medida que continua a ampliar o acesso ao mercado e a simplificar os processos de investimento estrangeiro. Em 2020, a Lei de investimentos estrangeiros entrou em vigor para proteger os direitos e interesses dos investidores estrangeiros.

Por exemplo, a lei exige que o governo chinês estabeleça um sistema de serviços para fornecer às empresas de capital estrangeiro consultoria e serviços relativos a leis, regulamentos e informações sobre projetos de investimento, entre outros itens.

Nos primeiros 11 meses de 2022, o comércio de mercadorias da China cresceu 8,6% em relação ao ano anterior, chegando a 38,34 trilhões de yuans (7,47 trilhões de dólares), de acordo com a Administração Geral de Alfândegas.

"Como o lar das cadeias de suprimentos globais essenciais, a resiliência das exportações da China melhorou a estabilidade da cadeia de suprimentos global", disse Liu, acrescentando que, em termos de demanda doméstica, o vasto mercado chinês ajudará a estabilizar o mercado global de exportação.

https://news.cgtn.com/news/2023-01-03/China-s-economy-to-drive-global-economic-recovery-and-growth-in-2023-1giqbeLg7Li/index.html

FONTE CGTN

@ prnewswire.co.uk